Acesse também:

Facebook Twitter Orkut

Hoje é 12 de Dezembro de 2017 - 11:46h

Eugênio José dos Santos

Geral

Eugênio
José dos Santos

A história paralela do campeão do Rio Preto Country Bulls

A história paralela do campeão do Rio Preto Country Bulls

A história paralela do campeão do Rio Preto Country Bulls

Entre os dias 23 e 27 de Julho, foi realizado um dos principais rodeios do nosso Brasil, O Rio Preto Country Bulls, idealizado e organizado pela Cia Paulo Emílio.  A história do campeão, começou no segundo dia quando se iniciou as montarias. O que vou descrever abaixo é a história do rodeio, sem ele, que seria o ator principal o campeão.
Abriu a porteira, saiu montado, o até então, vice-líder da PBR, Robson Guedes, de Descalvado (SP), no touro ‘Doce Amargo’ do Marcelo Castro. Olha, vou ter que tirar o primeiro nome do touro e conservar o ‘Amargo’, assim foi  tombo que Robson levou, essa foi a primeira montaria do Rio Preto Country Bulls 2014.
A disputa estava aberta, e começa ali, na noite de quinta-feira, 24 de Julho ás 22:34h a luta pelo título de 2014.
E a pergunta! Quem iria dominar a competição do começo ao fim? A resposta já é sabida: Ninguém.
Enfim voltemos para o round I, onde João Ricardo Vieira, após vencer o touro ‘Soldado’ da Cia Paulo Emílio com 91,25 pontos, era candidato fortíssimo, número três do mundo, pelo ranking da mundial da PBR tinha todo o perfil para isso. O rodeio poderia ganhar um dono e favorito ali. Final da noite QUINZE competidores venceram seus touros.
Veio a sexta-feira, 25, e João Ricardo, o líder o favorito após o primeiro round, foi ao chão. Outros QUINZE competidores venceram seus touros novamente e, o líder agora era Marcio Aquino, de Mogi Guaçu, ele conseguiu a liderança após montar o touro ‘Canibal’ da Cia Paulo Emílio, com 86,25 pontos. O melhor daquela noite foi Fernando Henrique com 91,75 pontos em ‘Arrogante’ da Cia Gattaz. Tínhamos um novo líder, uma nova possibilidade de termos o favorito já na segunda noite. Doce ilusão. Vamos para o próximo round.
O sábado, 26, trouxe novamente QUINZE competidores ficando oito segundos. Destaque para Silvano Alves, que foi o melhor após montar ‘General’ da Cia Paulo Emílio, com 90 pontos, surgia ali um novo candidato ao título? Não, Silvano também havia caído na sexta-feira. Bom, não podemos esquecer que o líder é Marcio Aquino, na verdade era, ele também foi ao solo, após montar ‘Urutu’ da Cia Paulo Emílio. E vamos então a busca de um novo líder.
Após o final do round, tínhamos apenas TRÊS competidores invictos. Um deles seria o líder. E ele era naquele momento, Douglas Lino, de Morro Agudo (SP). Que bom! Acho que agora sim teríamos o ‘tal’ favorito.
Chegou o domingo, 27, semifinal, e o dono do round, foi novamente, Silvano Alves, ao marcar 90,25 pontos em ‘Malibu’, da Cia Paulo Emílio. E o desempenho de Douglas Lino? Não acreditei, quando vi, ele também caiu e perdeu a liderança. O round terminou novamente com QUINZE  paradas, número incrível de regularidade. Porém, agora só um competidor estava invito, e assumia ali a liderança. Flávio Viana.
Todo round um novo líder. Pensei de dentro da arena: ‘A final é por escolha, ele, Flávio será o primeiro a escolher o touro. Vai escolher o touro certo, e vai ganhar. Chega, acabou, não vamos ter novo líder, Flávio Viana será o campeão’. Pensei. E quem foi que disse que rodeio tem roteiro, ou muito menos lugar para eu lá de longe dos bretes pensar em algo em nome dos competidores?
Fomos ao quinto e decisivo round. Flávio Viana escolheu o touro ‘Arrogante’ da Gattaz, e ai começou o problema. Ele tinha um ‘acerto de conta’s com este touro, que havia tirado seu título em outro evento dias antes. Então, não deu certo, ele foi ao chão, o último invito foi ao chão. E agora? Quer é o ‘cara’ que assumiria pela quinta vez no mesmo rodeio a posto de líder e desta vez, não mudaria mais!
Vamos ler agora a história coadjuvante do campeão do rodeio. Após o primeiro round, ele marcou modestos 87,50 pontos, após vencer o touro ‘Serpente’ da Cia Paulo Emílio. Ninguém percebeu sua atuação, ele terminou em nono lugar o primeiro round.
Já na segunda noite, ele não conseguiu matar/parar ‘Mosquito’ da Cia Marcelo Castro, ou seja, ai que ele ficou fora do foco de título mesmo. De nono lugar passou para 14º na classificação. Ainda oculto.
No sábado começava sua corrida por fora. Venceu ‘Congresso’ da Cia Paulo Emílio, e com 88,50 pontos,  passou da 14ª posição para 5ª empatado. Mesmo assim, ainda estava longe do foco.
Chegou a semifinal ele venceu ‘Rio Claro’ da Cia Gattaz por 89,25 pontos, subiu para a terceira posição. Não dava pra falar ainda que ele estava em destaque e como favorito. Além do líder que já citei acima, tinha o bicampeão do mundo, Silvano Alves, que havia escolhido ‘Baleado’ e já havia parado neste touro.
Escolha por escolha, a do campeão, foi mais estratégica ou ousada. Ele escolheu ‘Linha Direta’ da Cia Euripinho Sollo. Um touro muito bom, mas, recusado pelos dois a sua frente em razão de um motivo. Inquieto nos bretes, tanto que, no segundo round, o touro foi desclassificado por não dar condição de solta.
Ele precisava ser rápido, e foi, conseguiu soltar o touro, venceu a montaria por 91,25 pontos e fez sua parte, assumindo a liderança. Não sei o que ele fez durantes as duas montarias seguinte, mas ele ainda não era favorito.
Após duas quedas, de Flávio Viana e Silvano Alves, ele foi anunciado campeão. Thiago Vitor, de Floreal (SP), 28 anos de idade, venceu seu primeiro evento na divisão principal do Monster Energy PBR, faturou R$20.860 reais, e a fivela de um dos três mais importantes eventos deste país. Agora ele é o quinto no ranking nacional e tem totais condições de brigar pelo título nacional.
Vídeos de todas as montarias, entrevistas e resultado completo você encontra no site www.eugeniojose.com.br
Por Eugênio José – MTB – 67.231/SP
contato@eugeniojose.com.br
 
 
Att,
 
Eugênio José – MTB: 67.231/SP
18 9748-4838
 
www.eugeniojose.com.br
 
Twitter: http://twitter.com/eugeniojose
FB: http://fb.com/eugenioses
YouTube: http://youtube.com/eugeniojoses
 

A história paralela do campeão do Rio Preto Country Bulls

31/07/2014

Entre os dias 23 e 27 de Julho, foi realizado um dos principais rodeios do nosso Brasil, O Rio Preto Country Bulls, idealizado e organizado pela Cia Paulo Emílio.  A história do campeão, começou no segundo dia quando se iniciou as montarias. O que vou descrever abaixo é a história do rodeio, sem ele, que seria o ator principal o campeão.
Abriu a porteira, saiu montado, o até então, vice-líder da PBR, Robson Guedes, de Descalvado (SP), no touro ‘Doce Amargo’ do Marcelo Castro. Olha, vou ter que tirar o primeiro nome do touro e conservar o ‘Amargo’, assim foi  tombo que Robson levou, essa foi a primeira montaria do Rio Preto Country Bulls 2014.
A disputa estava aberta, e começa ali, na noite de quinta-feira, 24 de Julho ás 22:34h a luta pelo título de 2014.
E a pergunta! Quem iria dominar a competição do começo ao fim? A resposta já é sabida: Ninguém.
Enfim voltemos para o round I, onde João Ricardo Vieira, após vencer o touro ‘Soldado’ da Cia Paulo Emílio com 91,25 pontos, era candidato fortíssimo, número três do mundo, pelo ranking da mundial da PBR tinha todo o perfil para isso. O rodeio poderia ganhar um dono e favorito ali. Final da noite QUINZE competidores venceram seus touros.
Veio a sexta-feira, 25, e João Ricardo, o líder o favorito após o primeiro round, foi ao chão. Outros QUINZE competidores venceram seus touros novamente e, o líder agora era Marcio Aquino, de Mogi Guaçu, ele conseguiu a liderança após montar o touro ‘Canibal’ da Cia Paulo Emílio, com 86,25 pontos. O melhor daquela noite foi Fernando Henrique com 91,75 pontos em ‘Arrogante’ da Cia Gattaz. Tínhamos um novo líder, uma nova possibilidade de termos o favorito já na segunda noite. Doce ilusão. Vamos para o próximo round.
O sábado, 26, trouxe novamente QUINZE competidores ficando oito segundos. Destaque para Silvano Alves, que foi o melhor após montar ‘General’ da Cia Paulo Emílio, com 90 pontos, surgia ali um novo candidato ao título? Não, Silvano também havia caído na sexta-feira. Bom, não podemos esquecer que o líder é Marcio Aquino, na verdade era, ele também foi ao solo, após montar ‘Urutu’ da Cia Paulo Emílio. E vamos então a busca de um novo líder.
Após o final do round, tínhamos apenas TRÊS competidores invictos. Um deles seria o líder. E ele era naquele momento, Douglas Lino, de Morro Agudo (SP). Que bom! Acho que agora sim teríamos o ‘tal’ favorito.
Chegou o domingo, 27, semifinal, e o dono do round, foi novamente, Silvano Alves, ao marcar 90,25 pontos em ‘Malibu’, da Cia Paulo Emílio. E o desempenho de Douglas Lino? Não acreditei, quando vi, ele também caiu e perdeu a liderança. O round terminou novamente com QUINZE  paradas, número incrível de regularidade. Porém, agora só um competidor estava invito, e assumia ali a liderança. Flávio Viana.
Todo round um novo líder. Pensei de dentro da arena: ‘A final é por escolha, ele, Flávio será o primeiro a escolher o touro. Vai escolher o touro certo, e vai ganhar. Chega, acabou, não vamos ter novo líder, Flávio Viana será o campeão’. Pensei. E quem foi que disse que rodeio tem roteiro, ou muito menos lugar para eu lá de longe dos bretes pensar em algo em nome dos competidores?
Fomos ao quinto e decisivo round. Flávio Viana escolheu o touro ‘Arrogante’ da Gattaz, e ai começou o problema. Ele tinha um ‘acerto de conta’s com este touro, que havia tirado seu título em outro evento dias antes. Então, não deu certo, ele foi ao chão, o último invito foi ao chão. E agora? Quer é o ‘cara’ que assumiria pela quinta vez no mesmo rodeio a posto de líder e desta vez, não mudaria mais!
Vamos ler agora a história coadjuvante do campeão do rodeio. Após o primeiro round, ele marcou modestos 87,50 pontos, após vencer o touro ‘Serpente’ da Cia Paulo Emílio. Ninguém percebeu sua atuação, ele terminou em nono lugar o primeiro round.
Já na segunda noite, ele não conseguiu matar/parar ‘Mosquito’ da Cia Marcelo Castro, ou seja, ai que ele ficou fora do foco de título mesmo. De nono lugar passou para 14º na classificação. Ainda oculto.
No sábado começava sua corrida por fora. Venceu ‘Congresso’ da Cia Paulo Emílio, e com 88,50 pontos,  passou da 14ª posição para 5ª empatado. Mesmo assim, ainda estava longe do foco.
Chegou a semifinal ele venceu ‘Rio Claro’ da Cia Gattaz por 89,25 pontos, subiu para a terceira posição. Não dava pra falar ainda que ele estava em destaque e como favorito. Além do líder que já citei acima, tinha o bicampeão do mundo, Silvano Alves, que havia escolhido ‘Baleado’ e já havia parado neste touro.
Escolha por escolha, a do campeão, foi mais estratégica ou ousada. Ele escolheu ‘Linha Direta’ da Cia Euripinho Sollo. Um touro muito bom, mas, recusado pelos dois a sua frente em razão de um motivo. Inquieto nos bretes, tanto que, no segundo round, o touro foi desclassificado por não dar condição de solta.
Ele precisava ser rápido, e foi, conseguiu soltar o touro, venceu a montaria por 91,25 pontos e fez sua parte, assumindo a liderança. Não sei o que ele fez durantes as duas montarias seguinte, mas ele ainda não era favorito.
Após duas quedas, de Flávio Viana e Silvano Alves, ele foi anunciado campeão. Thiago Vitor, de Floreal (SP), 28 anos de idade, venceu seu primeiro evento na divisão principal do Monster Energy PBR, faturou R$20.860 reais, e a fivela de um dos três mais importantes eventos deste país. Agora ele é o quinto no ranking nacional e tem totais condições de brigar pelo título nacional.
Vídeos de todas as montarias, entrevistas e resultado completo você encontra no site www.eugeniojose.com.br
Por Eugênio José – MTB – 67.231/SP
contato@eugeniojose.com.br
 
 
Att,
 
Eugênio José – MTB: 67.231/SP
18 9748-4838
 
www.eugeniojose.com.br
 
Twitter: http://twitter.com/eugeniojose
FB: http://fb.com/eugenioses
YouTube: http://youtube.com/eugeniojoses
 

A história paralela do campeão do Rio Preto Country Bulls

Jornal do Rodeio

Acesse também:

Facebook Orkut Twitter